quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

USP abre 80 vagas em especialização gratuita em Saúde Pública

A Faculdade de Saúde Pública (FSP) da Universidade de São Paulo (USP) vai oferecer mais uma edição do curso de especialização gratuito em Saúde Pública. As aulas são a distância, mas os estudantes vão ter que participar de cinco encontros presenciais, na cidade de São Paulo.

Desta vez serão ofertadas 80 vagas e será desenvolvido em 16 (dezesseis) meses. Neste período serão feitos os encontros presenciais para a realização da avaliação.
As datas já estão marcadas e são as seguintes: 15, 16 e 17/março/2017; 25 e 26/maio/2017, 27 e 28 setembro/2017, 1 e 2/ março/2018 e 28 e 29/junho/2018. As despesas com o deslocamento são de responsabilidade dos alunos.
Interessados vão poder se inscrever a partir do dia 16 de janeiro de 2017 até, no máximo, 16 horas do dia 24 de janeiro. Porém, o número máximo de candidatos inscritos é de 800 pessoas, ou seja, quem deixar para se inscrever nos últimos dias pode não encontrar vagas para o processo seletivo.
Para se inscrever, o interessado deve entrar no site www.fsp.usp.br, endereço em que estará disponível a ficha de inscrição.
O processo seletivo será feito em duas etapas. Na primeira, o currículo dos 800 candidatos será avaliado e 240 serão selecionados. O resultado será divulgado até às 18h do dia 13/02/2017. Na segunda etapa os candidatos vão participar de uma capacitação em AVA, no período de 13 a 20/02/2017, em que precisa ter nota mínima 7 para não ser desclassificado. Todas as etapas são a distância.
O resultado do processo seletivo será publicado até às 18h do dia 23 de fevereiro. Mais informações no edital aqui.

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Curso gratuito e online sobre Zika é oferecido pelo Ministério da Saúde

O Zika vírus vem se disseminando rapidamente, sendo apontado como possível causa do surto de microcefalia em bebês e, também, do aumento na incidência da Síndrome de Guillain-Barré. Diante desse cenário, o Ministério da Saúde e a Universidade Aberta do SUS (UNA-SUS) oferecem o curso online “Zika: abordagem clínica na atenção básica, que objetiva capacitar profissionais de saúde para melhor assistir os pacientes.
O conteúdo é composto por atividades interativas, estudo de casos-clínicos, vídeos com especialistas e entrevistas. Também são disponibilizados, na biblioteca virtual, livros e vídeos com conteúdos referentes ao tema para o aluno que desejar aprofundar seus conhecimentos.
O curso está estruturado em quatro Unidades Educacionais, que tratam dos temas: aspectos epidemiológicos, promoção à saúde e prevenção de infecção pelo vírus da Zika; quadro clínico e abordagem a pessoas infectadas com vírus da Zika; os cuidados com as gestantes com suspeita ou confirmação de infecção pelo vírus da Zika e do recém-nascido com microcefalia e a vigilância da infecção por vírus Zika e suas complicações.
O curso é uma iniciativa da secretaria executiva da UNA-SUS (SE/UNA-SUS), Fiocruz Mato Grosso do Sul, Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde (SGTES), Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS), Secretaria de Atenção à Saúde (SAS) e Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS).
 Matrículas: Inscrições abertas até 1º de março de 2017. Para se matricular, clique aqui
 Público-alvo: profissionais de saúde e demais interessados no tema
 Carga horária: 45 horas

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Confraternização da Liga de Primeiros Socorros

Mais um ano que se encerra...e entre risos e conversas, renovamos as energias para o ano que se aproxima

Feliz Natal e Feliz Ano Novo a todos e todas!!!!!!!!!!!!!!!!!







sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Dia de Defesa do TCC

Mais uma caminhada que conseguimos concluir juntos....Mais uma construção de uma pesquisa, com acertos e erros, com risadas e estresses.

Mas chegamos lá.  E cada etapa vivida nos formamos, crescemos, experienciamos, bifurcamos, existimos.

Parabéns Camila e Gustavo.



terça-feira, 8 de novembro de 2016

X Congresso Brasileiro de Queimaduras

E a Liga de Emergências e Primeiros Socorros esteve presente mais uma vez em um evento científico, compartilhando as experiências ...dessa vez a aluna Michele Ferreira foi a nossa representante

Eita quanto orgulho!!!!!



quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Drogas vasoativas

O principal objetivo das drogas vasoativas deve ser não só restaurar a pressão arterial, mas também fornecer condições para o adequado metabolismo celular, para o qual a correção de hipotensão arterial é um pré-requisito necessário. Níveis de PAM entre 65-70 mmHg parecem satisfatórios, mas em pacientes previamente hipertensos, um alvo em torno de 80-85 mmHg pode ser mais adequado, como sugerido pelo estudo SEPSISPAM. Em contrapartida, níveis mais baixos podem ser tolerados em pacientes com sangramento agudo com o objetivo de limitar a perda de sangue e a coagulopatia associada até que o sangramento seja controlado.  

No geral não há valores absolutos de DC que devam ser recomendados como meta. O uso de marcadores de perfusão tecidual, como saturação venosa central e lactato, podem ser úteis em inferir a relação sistêmica entre oferta e consumo de oxigênio,  ajudando a avaliar a adequação do DC. É importante destacar que há situações clínicas, diferentes do choque, em que o uso de drogas vasoativas é indicado, como por exemplo a adrenalina na parada e análogos da vasopressina no sangramento digestivo. Por fim, não se pode esquecer que estes medicamentos podem salvar vidas quando utilizados de forma adequada, mas também podem levar a efeitos adversos graves quando mal indicadas e utilizadas em doses inadequadas.
 
A seguir serão descritas as principais drogas vasoativas usadas em terapia intensiva. Para tal optamos por dividi-las didaticamente em drogas com efeito inotrópico e vasodilatador, inotrópico e vasoconstritor, vasoconstritor exclusivo e vasodilatador exclusivo 


1- Drogas com propriedades inotrópicas e vasodilatadoras. 

Dobutamina. A dobutamina geralmente é o inotrópico de escolha para aumentar o DC. Tem forte atividade em receptores beta 1 e leve atividade em beta 2 e alfa 1. Produz elevações significativas no DC mesmo com doses baixas. Tende a provocar vasodilatação, exceto em doses altas (>10-15 mg/kg/min) quando o agonismo em receptores alfa 1 passa a ser proeminente. O efeito na pressão arterial tende a ser limitado e depende da circunstância em que é usada. Pode elevar a pressão arterial em situações de baixo DC e elevada RVS como no choque cardiogênico. Nos casos em que o efeito no débito é modesto e a queda na RVS é maior, como nos casos de choque distributivo ou hipovolemia, a tendência é de provocar hipotensão. Têm sido relatados efeitos na microcirculação independente de efeitos sistêmicos. Betabloqueadores, especialmente o carvedilol, pioram significativamente a resposta à dobutamina, havendo necessidade de doses altas para seus efeitos

MilrinonaSeu mecanismo de ação é devido à inibição da enzima fosfodiesterase III citoplasmática, aumentando a disponibilidade de cálcio por redução da degradação do AMPc. Além da ação inotrópica, produz significante vasodilatação pulmonar e sistêmica. É a droga de escolha em pacientes com insuficiência cardíaca na presença de hipertensão pulmonar e disfunção de ventrículo direito. Pode ser útil quando os receptores beta estão sub-regulados ou em pacientes tratados com betabloqueadores. No entanto, a possibilidade de hipotensão limita seu uso em pacientes com choque. Além disso, a meia-vida da droga é longa (2-3h) e pode ser prolongada em pacientes com disfunção renal (4-6h)

Tanto a milrinona quanto a dobutamina carregam o risco de hipotensão por vasodilatação excessiva, arritmias e isquemia miocárdica. É importante ressaltar que o uso de inotrópicos está associado a maior mortalidade e eventos adversos em pacientes hospitalizados. Dessa forma, seu uso deve se restringir aos pacientes DC inadequado para manter oferta adequada de oxigênio aos tecidos 

2- Drogas vasoconstritoras e inotrópicas

Noradrenalina. Considerada o vasoconstritor de primeira escolha nos casos de hipotensão refratária a volume. É um potente agonista alfa 1 e apresenta também moderada atividade beta 1 e mínima beta 2. O efeito hemodinâmico preponderante é a vasoconstrição, mas seus efeitos beta-adrenérgicos ajudam a manter o débito cardíaco (DC). A administração geralmente resulta em um aumento clinicamente significativo na pressão arterial média (PAM), com pouca alteração na frequência cardíaca ou DC

Adrenalina. É um potente agonista dos receptores alfa 1 e beta 1, além de possuir atividade beta 2 maior que a noradrenalina. É considerada um vasopressor de segunda linha devido aos seus efeitos metabólicos, mas é o vasopressor de escolha em associação a noradrenalina nos casos de choque refratário (noradrenalina > 0,5 µg/Kg/min). Seu uso está associado a aumento dos valores de lactato devido ao aumento da via glicolítica .

Dopamina. Em doses baixas (< 4 µg/kg/min) ativa receptores dopaminérgicos e produz vasodilatação esplâncnica e renal, além de inibir a reabsorção tubular de sódio. Entretanto, estudos controlados não demonstraram um efeito protetor sobre a função renal, e seu uso rotineiro para esta finalidade não é recomendado. A estimulação dopaminérgica também pode ter efeitos endócrinos indesejados, suprimindo praticamente todos os hormônios dependentes da hipófise anterior, com exceção do cortisol, e resultando em imunossupressão. Doses moderadas (4 -10 µg/kg/min) apresentam efeito inotrópico e doses elevadas (> 10 µg/kg/min) efeito vasoconstritor. Mas até 60% dos pacientes com choque falham em responder as doses vasoconstritoras de dopamina, necessitando associação de noradrenalina. 

Como já dito, a noradrenalina é o vasopressor de escolha. No estudo SOAP II, um ensaio clínico controlado, randomizado e duplo-cego, a dopamina não apresentou vantagem sobre a noradrenalina como agente vasopressor de primeira linha, induziu a mais arritmias e foi associada a aumento de mortalidade em 28 dias entre os pacientes com choque cardiogênico. Uma meta-análise incluindo estudos que compararam dopamina e noradrenalina em pacientes com sepse evidenciou maior mortalidade nos pacientes que usaram dopamina, de tal forma que esta não é mais recomendada como agente de primeira linha e seu uso deve ser reservado para pacientes com bradicardia sintomática e sem disfunção cardíaca significativa, conforme a última orientação do Surviving Sepsis Campaign 

O estudo que comparou adrenalina e noradrenalina não mostrou diferença no tempo para atingir o alvo da PAM (manter PAM > 70 mmHg por mais de 24 horas sem vasopressor), nos dias livres de vasopressor e na mortalidade em 28 e 90 dias, porém o grupo adrenalina apresentou maior incidência hiperlactatemia e de necessidade de insulina

3- Drogas vasoconstritoras

Entre as drogas deste grupo estão a fenilefrina e a vasopressina. Elas produzem aumento isolado da resistência vascular periférica e podem levar a redução do DC em pacientes com disfunção ventricular, devido ao aumento da pós-carga cardíaca. A princípio, o uso no choque deve ser reservado a situações de choque distributivo. Fenilefrina praticamente não é usada. A vasopressina, também conhecida por hormônio antidiurético, age como vasopressor por meio de sua ação em receptores V1 na musculatura lisa vascular. A droga também tem o potencial de causar vasoconstrição coronariana e mesentérica, além dos efeitos relacionados á ação antidiurética via receptor V2. Doses acima de 0,1 U/min devem ser evitadas pelo alto risco de isquemia mesentérica. Em cenários de acidose metabólica importante os agonistas alfa 1 tornam-se menos efetivos, o que não acontece com a vasopressina, tornando esta uma droga interessante neste contexto. Doses de 0,01 U/min equivalem a 5µg/min de noradrenalina. 

O maior estudo sobre a vasopressina no choque foi o VASST, que comparou doses baixas da droga (dose 0,01 a 0,03 U/min) com noradrenalina em pacientes com choque séptico. O estudo não demostrou redução de mortalidade geral em 28 dias (35,4% x 39,3%; p 0,26) ou aumento de eventos adversos (10,3% x 10,5%; p 1,00). Algo interessante foi que quando avaliados em grupos de casos de maior (> 15µg/min noradrenalina) e menor gravidade (< 15µg/min noradrenalina), a mortalidade neste último foi menor no grupo vasopressina (26,5% x 35,7%, p 0,05), sugerindo que talvez a droga deva ser associada a noradrenalina em uma fase mais precoce do choque e não em uma fase mais avançada (choque refratário). Por fim, o estudo VANISH não conseguiu mostrar diferença em tempo livre de diálise quando comparou uso precoce de noradrenalina + corticoide ou placebo e vasopressina + corticoide ou placebo em pacientes adultos com choque séptico 

 4- Drogas vasodilatadoras

Agentes vasodilatadores podem aumentar o DC sem aumentar a demanda miocárdica por oxigênio ao reduzir a pós-carga ventricular. São úteis nos casos em que a otimização do DC com agentes inotrópicos não reverteu a condição de baixo débito, como pode ocorrer na insuficiência cardíaca e choque cardiogênico.  Dentre os vasodilatadores o mais usado é o nitroprussiato de sódio, um vasodilatador misto, com efeitos sobre os territórios arterial e venoso. Age diretamente na musculatura lisa vascular pela interação com grupos intracelulares de sulfidrila

Fonte: http://www.pacientegrave.com/